<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11649652\x26blogName\x3d::Medievas::\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://medievas.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://medievas.blogspot.com/\x26vt\x3d5012197479089928805', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

36.
sábado, novembro 03, 2007

::Nelson Rodrigues teria medo::

em casa. Por que não? Frisson. Eu chamei, ele bobo nada, veio. me perseguia com o olhar. seguiu. mão, língua, beijos, descendo, descendo, tomou meu ápice, me levando pela mão. Eu nem queria. A aula foi sobre pornografia. Pés, mãos, boca e gozo.

Uma libertina nasceu ali. Uma libertina de máquina de escrever na mão. Sou agora uma mulher liberta. E fujo da grade. Quero o mais próximo do fora da lei, ilegal sou. Coroei-me rainha do ato e ritual consumado. Nelson que me perdoe, mas eu faço melhor. Ele teria inveja de mim.

Amo o desejo. Escrava estou desse teu membro intumescido. Quero o máximo, quero tudo, a vida me permite uma noite eterna. Marco minha presença na ausência alheia. Sorrio orgasmos pra quem quero. O mundo se torna total, sou esma, sou frágil, sou toda pra isso. Me toma o esquema: o grave, o cosmo. Se isso não é caminho, quero inventá-lo. Porra na boca, leite na rosa, amor no coração! amo, amo, amo. E o amor me permite ser o que sou. Amor é liberdade plena. Nunca amei como agora. Nunca fui como agora. A escrava que espera. gozo na boca. amor nos dedos. eu, eu, eu. eu sempre fui isso. Algo me esmagava: agora sou a liberdade no clitóris.




<body> </body>