<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11649652\x26blogName\x3d::Medievas::\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://medievas.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://medievas.blogspot.com/\x26vt\x3d5012197479089928805', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

1.
sábado, setembro 10, 2005

::MEDIEVAS::

O sol tava morrendo e esparramando seu sangue de iodo sobre as nuvens para fazer a sombra do etéreo oeste. Eu ia me arrastando na melodia do cravo que vinha da esquina. Meus olhos tomados de embriaguez me deixavam ainda mais pálida e leve. Eu queria chegar no horizonte e ver qual é mas esbarrei com uma garotinha sentada de frente pro nada. Era a menina mais linda que eu já vi. Ela me viu espiando-a com as mãos no bolso. Ela tinha duas trancinhas e o rosto cheio de sardinhas: Seu corpo todo dizia eu soul mar. Fui me aproximando com o terror flamejando: eu estava apaixonada. Sentei do seu lado mas não tive coragem de me virar. Ela era ainda mais pálida e seus olhos eram muito negros. Ela tirou um cigarrinho sweet dos bolsos e começou a fumar e se esvair junto com o sol. Eu queria tocá-la. Virei meu rosto e vi seu perfil infantil e frio. Já dava pra sacar que a única forma de amá-la era deixá-la no seu canto. Ela terminou a última baforada e me olhou nos olhos: estremeci. Meu nome é Lydia. O meu é Medievas. E deu o sorriso mais sinistro e cheio de verdade da minha vida. Seus lábios eram fininhos e esbranquiçados. Tinha mãos pequenas e frágeis. Agora meu querer se encolhia inteiro, queria puxá-la até meu seio e beija-la nos olhinhos. Mas Medievas era o horizonte vazio que gritava dentro das veredas do seu corpo clausuro. Ela me chamava para fugir de mãos dadas até o fundo das águas e se entupia de ondas gargalhando sobre todos os homens o amor estúpido e cego que despedaça. Eu topei para ver qual era e lá fomos nós lado a lado e lentamente adentrando a trilha do mar num silêncio de adeus e paixão. Eu percebi que Medievas chorava lágrimas tímidas, mas continuava para cima e com o olhar fixo boiando na sua solidão. Eu não estava ali do seu lado. Eu era a trash metal alucinando naquele cenário cheio de máscaras sob o último sol.

(...)

Aline de Andrade



<body> </body>