<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11649652\x26blogName\x3d::Medievas::\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://medievas.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://medievas.blogspot.com/\x26vt\x3d5012197479089928805', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

18.
domingo, março 18, 2007

::Da série: A barata lispectoriana::

Perfil: Amélia

"És uma Amélia incorrigível, só precisa perder esse restinho de paranóia que as XX da sua geração tem em ser o que são." (Alan, comentários)

Levantei no dia seguinte. A casa precisava ser limpa. Não quero mais baratas. O colchão ficou no sol, a talisca atravancava minha sala. Debaixo da cama, um museu, como definiria um amigo (ou amante?). A vitrola que não está funcionando, mas sonha refuncionar, jaz no canto da parede. Após trabalho intenso, foram-se aranhas, nem sinal de baratas (no final, só havia aquela, e nem aquela mais havia), livros desempoeirados e arrumados, chão que brilha. O almoço estava no fogão, mas fui de sopa pronta. Agora o quarto estava limpo. A casa, nem tanto. Mas não importa. Não existem mais amélias hoje.
...

A noite me trouxe sem felicidade. Fui chamada de burra, precisa ser burra mesmo pra tentar ser amélia. As paredes da minha casa não reconheceram meu trabalho. O meu amante (ou amigo?) também não. Talvez o destino da amélia é ser invisível.

Eu não sou invisível.



<body> </body>